Blog

Comunicação Não-Violenta: como criar pontes em vez de muros

Descubra o poder de uma comunicação autêntica e empática, que pode mudar a forma como se relaciona consigo e com os outros

Seja consigo, com o seu chefe, com os seus filhos, com o seu companheiro/a: a comunicação é o coração de todas as relações, em qualquer área de vida, impactando de forma direta na relação com os outros e com os seus níveis de bem-estar e saúde mental.

A importância da comunicação é central, mas nem sempre lhe damos esse lugar de destaque:

– Grande parte das vezes, ouvimos para responder, sem conseguir chegar ao lugar do outro;

– A reatividade e impulsividade pautam grande parte dos diálogos;

– Nem sempre criamos, na comunicação, um lugar seguro para expressar livremente as nossas ideias e emoções.

Neste artigo, queremos falar-lhe de Comunicação Não-Violenta, uma abordagem que coloca a comunicação onde ela deve estar: num lugar central, um lugar de empatia, escuta, compreensão e expressão de emoções.

Comunicação Não-Violenta: o que é?

A Comunicação Não-Violenta, mais do que uma teoria, é uma forma de comunicar que tem o poder de transformar as nossas relações. Desenvolvida por Marshall Rosenberg, a CNV é um processo que nos ajuda a ser mais autênticos, assertivos, compassivos e empáticos, dando-lhe ferramentas para diminuir a reatividade nas interações, lidando com os conflitos de uma forma construtiva.

 

Marshall Rosenberg, psicólogo norte-americano, criou este modelo a partir da sua busca por uma forma de comunicação que “nos conecta com a nossa humanidade compassiva”. Ele viu a necessidade de uma linguagem que eleve nossa capacidade de ser humanos, entendendo profundamente uns aos outros e a nós mesmos.

 

O impacto da comunicação não-violenta na sua vida profissional, pessoal e saúde mental

 

Vida profissional: a CNV melhora a comunicação entre colegas e superiores, aumenta a compreensão das necessidades de cada elemento. Desta forma, o ambiente de trabalho torna-se mais produtivo e colaborativo, ao mesmo tempo que os conflitos são reduzidos.

 

Relações: a CNV é uma forte aliada na expressão clara e empática de sentimentos e necessidades, reduzindo o ruído, mal-entendidos e as críticas. Uma comunicação mais consciente reduz julgamentos e a reatividade.

 

Parentalidade: uma comunicação honesta e empática ajuda a criar um ambiente familiar com mais compreensão e respeito mútuo. Uma criança que cresça num ambiente com espaço para expressar de forma segura aquilo que sente, vai tornar-se um adulto mais funcional e mais preparado para lidar com as adversidades.

 

Saúde Mental: ao facilitar uma expressão honesta de sentimentos e necessidades, a CNV permite uma gestão mais eficaz de emoções, um ponto fundamental para o bem-estar emocional. Além disso, permite a criação de conexões mais significativas e profundas com o outro.

 

 

Curso de Comunicação Não-Violenta: o que esperar?

 

É já em novembro, nos dias 9, 23 e 30 que recebemos, na Transformar, a nossa primeira edição do curso de Comunicação Não-violenta, no qual o formador Luís Carvalho vai apresentar este modelo apaixonante através de três sessões:

 

1. Observação: o foco inicial é entender como transformar pensamentos em observações. Isto permite criar um espaço para ver as situações sem julgamento e mais objetivamente. Desta forma, a comunicação torna-se mais consciente e clara.

 

2. Emoção e Necessidade: aqui, aprofundaremos as nossas emoções, entendendo o que está verdadeiramente por trás delas, ou seja, as nossas necessidades. Isso ajuda-nos a ser mais conscientes do que é realmente importante para nós. Nesta segunda sessão, vai descobrir como reconhecer e satisfazer as necessidades subjacentes para construir relacionamentos mais autênticos e significativos.

 

3. Pedidos: na terceira e última sessão, trabalharemos os pedidos, aprendendo a fazer pedidos em vez de exigências. Isso permite-nos ser mais claros e autênticos naquilo que está a ser dito, ao mesmo tempo que nos conectamos com as nossas necessidades e as necessidades da outra pessoa.

Veja todas as informações sobre esta primeira edição aqui

Veja também um pequeno vídeo de apresentação deste curso

 

O poder da CNV reside na sua capacidade de criar pontes e não muros entre as pessoas. Pessoalmente, tem-me ajudado a entender as razões por que sinto determinadas emoções e a transmitir o que realmente quero dizer.

Se deseja aprender a comunicar de forma não violenta e autêntica, convido-o a juntar-se a nós neste curso. É mais do que aprender uma nova habilidade; é adotar uma nova forma de ser e de se relacionar com o mundo.

Luís Carvalho

 

Este artigo foi desenvolvido em colaboração com Luís Carvalho, formador certificado em Comunicação Não-Violenta

TENS DÚVIDAS?

Deixa-nos uma mensagem







Li e aceito a Política de Privacidade